Casamento Civil Igualitário: eu apoio!

A postagem de hoje não se encaixa nos padrões do blog. Ela não fala de moda e nem de design. É uma postagem sobre a vida, sobre o amor e sobre os direitos que considero humanos.
Eu não sou do Rio mas tenho acompanhado o trabalho do deputado Jean Wyllys – quero deixar claro que este post não é para fazer propaganda política e sim para divulgar um projeto bonito que ele apoia: o Casamento Civil Igualitário.

Casamento Civil Igualitário - campanha apoiada pelo deputado Jean Wyllys

Este ano decidi que vou apoiar as causas que acredito, vou ser menos imparcial, vou ser mais humana. Sou completamente a favor da felicidade e por isso apoio a união entre quaisquer sexos. Não existe apenas um modelo de família perfeita, até porque não somos todos iguais. A diversidade é o que nos torna ainda mais interessantes, é o que enriquece a nossa cultura.

Como eu deixaria de apoiar o amor, se sei que é justamente a falta dele o motivo dos males da nossa sociedade? Já perdemos muito tempo nos preocupando com falsos moralismos, está na hora de abrir a cabeça e o coração pra felicidade!

Fiquem com um vídeo muito legal da campanha Casamento Civil Igualitário. Ele não é novo, mas a ideia sim.

A Google Brasil gravou um vídeo bacana com alguns funcionários, perguntando a opinião deles sobre o Casamento Civil Igualitário:

É isso aí pessoal! A partir de hoje vou postar sobre assuntos que apoio. Um beijo a todos os meus leitores queridos!

Que 2013 seja um ano mais leve, mais feliz e com menos rótulos e paradigmas!
8 Respostas
  • Ana Beatriz
    janeiro 5, 2013

    ótima iniciativa bárbara!

  • Anonymous
    janeiro 5, 2013

    O problema é que algumas pessoas vivem no século XXI e outras no século XVII…

    • Barbara Urias
      janeiro 5, 2013

      é infelizmente tem muita gente com pensamentos retrógrados mesmo!

  • Martha menezes
    janeiro 5, 2013

    Tenho uma imensa admiração pelo Jean Wyllys, que trabalho lindo ele vem fazendo, de uma tenacidade louvável! Votei nele e continuarei votando, parabéns!

  • Cláudio
    janeiro 5, 2013

    Respeito muito o Deputado porque ele parece ser sério,mas na boa…só sabe falar disso? Não tem outro projeto, outro assunto, outra luta, além dessa história de homossexuais. Ele representa o povo ou 10% da população? Lembro do ex-deputado Eurico Mirando dizendo que estava lá para defender os interesses do Vasco e só do clube, mas e o resto do povo como fica diante de políticos que lutam apenas por um grupo?

  • Jânio
    janeiro 5, 2013

    Creio que urgência há em fazer a lei funcionar. Qualquer cidadão deve ser protegido pelo estado, qualquer que seja sua orientação ou prática sexual. Legislar em torno somente dos gays, é criar mais uma “categoria”, como se fez com os negros, a daí sim, aumentar realmente a discriminação, em um país de de maioria mestiça. Tal assunto como a PL 122 transforma o cidadão hétero em um genérico, pois ele que se contente com a proteção do estado, enquanto o homo terá leis “especificas” para eles. As leis de proteção devem chegar a todos e isso sim é igualdade.

  • Anonymous
    janeiro 5, 2013

    qe preconceito mais rediculo…
    desprezo as pessoas preconceituosas….
    criticam as pessoas e nao sabem qe elas tbm tem valores…

  • Felipe
    janeiro 5, 2013

    Homossexualidade, e não homossexualismo (que remete a doença), é naturalmente uma questão social presente em todas as sociedades desenvolvidas (quero dizer todas as sociedades não primitivas tribais) e mesmo nas sociedades primitivas tribais quando havia uma certa quantidade grande de pessoas, e mesmo algumas sem grande numero de pessoas. É natural, e pode ser natural por opção consciente da pessoa ou inconscientemente sem ser por opção. Na Alemanha tinha (e tem) gays até durante o 3o reich, esparta, roma, até na cultura muçulmana tem gays. Então, não adianta querer que isso acabe, temos que nos adaptar e sempre, repito, sempre se colocar no lugar do outro. Vcs não gostariam de sofrer preconceito e violência injustificadamente, ou sem que vcs tenham culpa que justifique esse tipo de coisa, aliás ninguem merece sofrer esse tipo de coisa, seja alemão (e eles ja sofreram preconceito e violência), seja judeu, pobre, evangélico, católico, islamico, gay, ou qualquer outra discriminação feita pelo proprio homem e discriminada pelo proprio homem (homem e mulher obvio). Então parem com essas discuções!!! pense sempre “e se fosse eu”

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *